AVISO DE SINISTRO

Data: 24/06/2012

Preço reduzido pelo imposto menor não é levado em conta pelas seguradoras, que usam a tabela Fipe

Quem tem um carro usado e quer aproveitar a isenção do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para trocar por um zero quilômetro deve colocar no papel o valor do seguro.

"Além de uma boa pesquisa de valores, que varia conforme o perfil do dono do carro, o consumidor precisa saber que o IPI não incidirá sobre o valor do seguro", alerta Gisele Rodrigues, especialista em seguros da Proteste, associação de defesa dos consumidores.

A isenção do IPI pode representar uma economia de R$ 3 mil em um modelo de carro popular.

Mas se a perda é total em caso de sinistro, o consumidor receberá a indenização sobre o valor de uma tabela da Fundação de Pesquisas Econômicas (Fipe), que expressa os valores dos veículos calculados pela média do mercado regional.

Esse critério, o de indenizar o dono do carro pela tabela Fipe, explica Gisele, pode ‘engolir’ o que o consumidor conseguiu de abatimento com a isenção do IPI quando trocou de carro.

Exemplo
Para citar um exemplo, se o consumidor troca um carro popular de R$ 26 mil e que custaria R$ 35 mil com o IPI, ele pagará o seguro calculado sobre o valor mais alto (de R$ 35 mil).

No caso de um carro popular modelo 2009, o valor do seguro seria de quatro parcelas médias de R$ 260.

Se ele trocar o carro por um modelo zero de R$ 34 mil, ao invés de pagar quatro parcelas de R$ 260, em média ele pagará cinco.

Segundo a assessoria de imprensa da Fundação Procon em São Paulo, a regra adotada pelo mercado, de seguir a tabela Fipe, não é irregular, mas antes o consumidor precisa fazer as contas.

A Proteste vai além e orienta o comprador a ver as modalidades disponibilizadas no mercado de seguro.

Uma delas, que aparece como opção, além tabela Fipe, é a que determina antes o valor de cobertura para roubos.

"É uma modalidade mais cara porque determina antes o valor a ser ressarcido pelo prazo contratado, mas vale negociar e pedir detalhadamente as opções de preço, prazo e a cobertura do seguro", orienta a especialista.
 

Luciene Garcia


 

Voltar