AVISO DE SINISTRO

Data: 10/01/2013

O seguro do veículo protege apenas o casco, ou seja, a estrutura geral que inclui chassi, carroceria, motor e caixa. Acessórios - como aparelhos de som e DVD - e equipamentos adicionais - como rodas esportivas e kit Gás Natural Veicular (GNV) - bem como blindagem ficam de fora dessa conta. No entanto, é possível contratar coberturas específicas para esses itens, o que naturalmente eleva o valor do seguro.

Só estão cobertos acidentes provocados pelo homem ou pela natureza que ocorram em condições normais. Caso não haja exclusões no contrato, estão cobertos quaisquer tipos de acidentes de trânsito, bem como danos causados por desastres naturais - enchentes, temporais, ventanias, terremotos, chuvas de granizo, queda de árvore - ou outras eventualidades, como o desabamento de parte de um prédio ou a queda de um objeto sobre um veículo estacionado.

No entanto, a seguradora pode se recusar a pagar o seguro caso o condutor tenha exposto o veículo a um risco desnecessário. Por exemplo, se o carro encher de água salgada porque o motorista resolveu dirigir na areia da praia, que não é uma via aberta ao tráfego, provavelmente a seguradora não vai pagar pelo estrago. As seguradoras também não cobrem atos de vandalismo e outros danos provocados por tumultos, embora algumas ofereçam cobertura para a pintura que pode cobrir arranhões.

Os seguros feitos no Brasil cobrem apenas sinistros ocorridos em território nacional. O segurado pode, no entanto, contratar uma extensão de perímetro para os países da América do Sul, que amplia a área de cobertura do seguro para os países com os quais a seguradora tenha convênio. Além disso, quando em viagem para países do Mercosul, o motorista é obrigado a contratar a carta verde, seguro destinado à indenização de terceiros por danos corporais e materiais ou ao reembolso do segurado das despesas pelas quais ele seja civilmente responsável.


 

Voltar